Os mortos da praça D. Epaminondas

0
Share
Você acharia absurdo tropeçar em ossadas humanas em pleno centro de Taubaté? Pois acredite, isso aconteceu de verdade.

Em 23 de maio de 1969, o jornal A Tribuna publicou uma nota sobre o assunto que estava causando alvoroço na cidade: havia uma ossada humana na D. Epaminondas, a principal praça de Taubaté.

“As escavações que estão sendo feitas na praça Dom Epaminondas em frente à Catedral puseram a descoberto uma ossada humana, que foi recolhida e sepultada no Cemitério Municipal. Ninguém soube explicar a presença da ossada naquele local, à profundidade de um metro”.

José Claudio da Silva, autor das efemérides que são publicadas diariamente no Almanaque Urupês e um discípulo da historiadora Maria Morgado de Abreu, em carta enviada no dia seguinte ao editor do jornal, elucidou o mistério das ossadas humanas na praça principal de Taubaté.

“Com relação ao encontro de ossadas nas escavações na Pça. D. Epaminondas, que ali existiu o nosso primeiro cemitério.

Ao tempo da fundação do arraial, por Jacques Felix, a Igreja, dentre as primeiras e imprescindíveis construções, ficava no local da atual capela do Santíssimo Sacramento, na mesma posição, com cemitério ao derredor. Por ocasião da construção da nossa Catedral já foram encontradas ossadas no local, na escavação dos alicerces.

Atas da Câmara Municipal de Taubaté fazem referência a um cemitério de São Benedito, anterior ao atual que fica ao lado do Cemitério Municipal, e que ficava, também, em zona próxima do centro da cidade, condenado pela expansão da mesma”.

Pisando em ossos

Nas “Efemérides”, José Claudio cita outras ocasiões em que os taubateanos tropeçaram em ossadas humanas.

No carnaval de 1888, por exemplo, um grupo mascarados carregava um estandarte em que se lia: “Pedregulhos modernos para o calçamento das ruas”, alusão aos ossos humanos desenterrados da nave da Catedral e que serviram de entulho às ruas, conforme afirmava-se à época.

Em fevereiro de 1901, numa escavação que estava sendo feita na rua 4 de  março  foi encontrada  uma  ossada humana pelo encarregado do serviço.

Em setembro de 1905, na rua Cel. Marcondes de Mattos, no centro, pedreiros encontraram uma panela de barro contendo ossadas humanas. Na época julgaram que fossem de indígenas.

Desejo antigo

Não se assustem! O hábito de ser enterrado na nave das igrejas era prática comum em todo o Brasil Colonial. Faça uma visita às cidades históricas de Minas Gerais como Ouro Preto, Mariana, Diamantina, entre outras, e visite suas igrejas. Você notará que ali ainda estão marcados os locais onde as pessoas eram enterradas.

Na vila de Taubaté, os mais nobres locais de sepultamento eram na Matriz de São Francisco das Chagas e no Convento de Santa Clara. Hoje reformadas, não deixaram vestígios desses locais dentro de suas igrejas.

Bem distante do período colonial, o último sepultamento ocorrido no interior de uma igreja em Taubaté é bastante recente. Em 2012 uma missa celebrou a abertura do processo de beatificação do padre taubateano Dom Couto, que, no ato, teve sua ossada exposta e depois sepultada no interior da igreja de São Francisco das Chagas, a Matriz de Taubaté.

dcouto
Ossada de Dom Couto exposta em missa de abertura do processo de beatificação em 2012

Para você que tem coragem e quer saber mais sobre as sepulturas que existiam dentro das igrejas de Taubaté, separamos alguns links em que nossos incansáveis colunistas exumam esse macabro assunto.

Boa leitura!

Tradição religiosa na hora da morte, por Amanda Oliveira Monteiro

A morte, o tempo e a moda, por Leandro Santos Lima

Acompanhe o Almanaque Urupês também na nossa página do facebook e twitter

Related Posts
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *